CAVB
A capitã da Argélia, Lydia Oulmou, participou pela segunda vez
dos Jogos Olímpicos, e embora a seleção tenha perdido todas
as partidas no ginásio de Earls Court, a primeira “FIVB Hero” da
África não se esquecerá da experiência tão cedo.
Oulmou compôs a delegação argelina de 39 atletas em 12 esportes.
Gostamos de interagir com atletas argelinos de outros esportes na
vila olímpica”, conta a meio de rede de 26 anos. “Compartilhamos a
responsabilidade de representar o nosso país e também a mesma paixão
e devoção pelo esporte.”
A Argélia estreou no voleibol olímpico há quatro anos, mas este grupo
está junto desde 2001”, explica. “Progredimos bastante nos últimos
dez anos, participando de todas as principais competições africanas e
internacionais, mas a Olimpíada é muito especial para todos nós.”
Nos últimos oito anos, Oulmou jogou no Istres da França. Na próxima
temporada, atuará no Valenciennes. “A carreira na França me ajudou
a amadurecer e evoluir como jogadora, e quero transmitir esse
conhecimento e essa experiência a outras componentes da seleção.”
Oulmou também comentou a presença de jogadoras mais jovens no
grupo que foi a Londres 2012. “Tomara que essa experiência lhes sirva
de motivação, pois elas vão assumir a liderança do grupo no próximo
ciclo olímpico de quatro anos.”
Com a Olimpíada encerrada, a seleção argelina voltará a se concentrar
Oulmou almeja
África no topo
Se nos contentarmos apenas
em estar no topo do ranking da
África, as nossas seleções nunca
vão transpor a distância que
separa o voleibol africano das
melhores seleções do mundo”
48
Lydia Oulmou (primeira à direita)
comemora com a equipe na quadra londrina
Oulmou é a primeira
FIVB Hero” da África