Sarah Pavan e Heather Bansley
Canadá
Sarah Pavan foi outra jogadora na Masúria 2013 a fazer a troca do
vôlei de quadra para o de praia. Junto da parceira Heather Bansley,
ela deu muito trabalho a diversas adversárias.
A dupla canadense passou pela fase de grupos com duas vitórias e
uma derrota. Embora tenha sido eliminada pelas austríacas Barbara
Hansel e Katharina Schutzenhofer, mostrou que, com mais tempo de
jogo, criará mais e mais dificuldades para as adversárias.
Não foi difícil ver por que Pavan foi uma rival tão difícil. A atleta de 26
anos e 1,96 metro enfrentou de cima as adversárias na rede, ao passo
que Bansley, de 25 anos, cuidou do fundo da quadra.
No entanto, Pavan retornará à sua carreira de sucesso no vôlei de
quadra ainda neste ano. Ela foi eleita quatro vezes para a seleção
universitária americana jogando pela Universidade de Nebraska e
conquistou o título universitário do país em 2006 antes de atuar pro-
fissionalmente na Itália e no Brasil. Embora a parceria vá ser colocada
em espera, não demoraremos a vê-las juntas, pois os Jogos Olímpicos
do Rio de Janeiro estão cada vez mais próximos.
Continuaremos jogando até o fim de agosto, início de setembro,
e então a Sarah voltará a jogar vôlei de quadra por mais uma tem-
porada”, explicou Bansley. “O plano agora é continuar jogando no
próximo verão na praia com a Sarah e depois vamos nos ajustar de
acordo com o que ocorrer nas eliminatórias olímpicas.”
Miller Elwin e Henriette Iatika
Vanuatu
Miller Elwin e Henriette Iatika, de Vanuatu, não foram modestas no
seu primeiro Campeonato Mundial de Vôlei de Praia da FIVB.
A dupla trilhou um longo caminho até chegar a Stare Jablonki, pas-
sando por Brisbane, Dubai e Frankfurt. No entanto, uma vez na Polô-
nia, se sentiu em casa.
Na fase de grupos, elas ganharam uma e perderam duas partidas,
terminando em segundo lugar.
O mata-mata começou com um confronto com Kristyna Kolocova e
Marketa Slukova. As tchecas haviam participado de Londres 2012, o
que não fez diferença nenhuma: Elwin e Iatika jogaram com natura-
lidade, vencendo por 2 a 0.
Foram apenas as cabeças de chave Chen Xue e Zhang Xi que en-
cerraram a sorte da dupla, mas só apenas depois de salvarem um
set-point. A derrota representou o início do longo caminho da dupla
de volta para Vanuatu, mas provavelmente com sorrisos durante toda
a viagem.
Tenho treinado duro nos últimos anos, e melhoramos muito nes-
se tempo”, afirmou Iatika. “Estamos orgulhosas de como jogamos
contra as chinesas, que estão em primeiro no ranking, enquanto nós
estamos em 37º. Os nossos amigos e familiares estão extremamente
orgulhosos de nós. Recebemos muitas mensagens de apoio.”
15